Notícias

Saiba tudo sobre as motos Big Trail

Por Filtros Tecfil | 15 de fevereiro de 2021

As motos Big Trail são um dos modelos que conquistam o público que procura leveza e agilidade em uma mesma motocicleta

As motocicletas são um dos modelos de veículos mais escolhidos pelas pessoas que procuram um meio de transporte prático, mais barato e leve em comparação ao carro. Pensando nisso, as motos Big Trail, apresentadas ao mundo em 2009, no Salão de Milão, vieram para ficar.

Trail ou Big Trail?

Seja Trail ou Big Trail, é importante ressaltar que os dois modelos foram feitos para encarar trilhas leves ou pesadas (em inglês: off-road). Ambas têm um desempenho de uma motocicleta esportiva, mas oferecem ainda mais conforto. 

A Trail e a Big Trail beneficiam a maioria das pessoas de baixa estatura, devido à altura do assento e do guidão, além das suspensões bem elevadas. Isso faz com que o piloto enxergue melhor, drible terrenos acidentados, e ainda ajude a transpor os corredores de carros no trânsito.

Elas também oferecem uma ótima maneabilidade, contando com carenagens que deixam a viagem mais tranquila.  Portanto, esses modelos são indicados tanto para quem circula em vias pavimentadas, como para aqueles aventureiros que gostam de pegar uma trilha no final de semana. 

Entretanto, por causa da tecnologia avançada, do desempenho de moto esportiva e do conforto ao piloto e ao passageiro na garupa, as Big Trails sempre são alvos de roubos e furtos.

A primeira Big Trail surge lá em 1980

Historicamente, as motocicletas são muito visadas pela leveza e praticidade proporcionadas a quem a pilota.  As motos próprias para rodar no asfalto e na terra popularizaram-se apenas na década de 1970. Na ocasião, tratava-se de modelos japoneses de 1 cilindro e baixa capacidade cúbica.

Para acompanhar a concorrência naquele período, a Yamaha deu um passo adiante com um modelo de 500 cilindradas. A partir dali, as concessionárias passaram a investir cada vez mais nos modelos Big Trail.

No entanto, a história das motos Big Trail tradicionais com um potente motor alemão de 2 cilindros boxer começou há muito tempo, em 1980. 

Em um ano de diversos outros lançamentos no meio automotivo, a R 80 GS foi o modelo que roubou a cena, aumentando o patamar de performance. Antes, ele era da Yamaha XT 500 ao elevar um todo-terreno a 797cc.

R 80 GS

Com tamanho rendimento, o modelo da BMW converteu-se na preferida de muitos, por produzir até 50cv a 6.500 rpm. A Big Trail da fabricante de automóveis alemã também era capaz de atingir 170km/h. Além disso, outra grande diferença entre esse modelo e os antigos foi a transmissão final por eixo cardã. Ou seja, mais durável em comparação com o sistema por corrente. 

A combinação do motor de dois cilindros opostos e o eixo cardã formaram o conjunto motriz, que funciona muito bem desde a primeira tentativa da BMW em 1920. 

Essa aposta, cujo intuito era aguentar viagens e bagagens por vias pavimentadas e estradas de terra, foi certeira e ideal. O motor tinha um ótimo torque em baixas rotações, performance extremamente desejável para quem optava por percursos off-road

Já a transmissão por eixo cardã era à prova do desgaste ocasionado por água, terra, poeira, pequenas pedras (características de estradas pavimentadas e de terra). E para agradar ainda mais ainda o motociclista, o modelo não necessitava de limpeza, nem de trocas periódicas de lubrificante.

Outro ponto importante: os engenheiros alemães que projetaram a R 80 GS foram além da instalação das suspensões de longo curso e rodas grandes (padrão na época). As motos Big Trail da BMW tinham o braço oscilante da suspensão traseira agregado em volume único, com eixo cardã e um tambor de freio. 

Por fim, a R 80 GS foi o conjunto ligado a apenas um amortecedor e a exposição da roda raiada, com o contrapeso da saída do sistema de escapamento. Dessa forma, não havia como a R 80 GS ganhar o público da época.

Uma história repleta de inovações 

Após o grande sucesso da R 80 GS, a BMW seguiu o mesmo fluxo desse modelo, mas ainda aprimorando para as versões seguintes. Assim, a fabricante melhorou a pioneira R 80 GS, adicionando uma barra estabilizadora para reduzir o efeito de levantamento da traseira ao levantar-se. Além disso, completou a linha com a R 100 GS de 980cc.

Tais inovações também tiveram como alvo o motor. A Big Trail R 100 GS contava com um motor cujo torque máximo subiu para 6,2kgfm a 3.750 rpm, sem alterar a potência máxima de 50cv. Outro componente alterado foi o tanque de combustível, cujo formato se ajustou para melhorar o encaixe entre as pernas do condutor, e a capacidade passou a ser de 24L.

Mesmo com tantas mudanças, os conceitos básicos da R 100 GS mantiveram-se como antes; a diferença mais visível entre os dois modelos eram os protetores de mão e o para-brisa menor.

Por fim, destacamos mais uma mudança gritante, ocorrida em 1994, com o lançamento  da R 1100 GS, cujo novo motor rendia 80cv a 6.750rpm, e 9,9kgf.m a 5.250rmp. No entanto, sua grande novidade apareceu na suspensão dianteira, que reduziu o efeito de mergulho na frenagem devido à instalação de uma bandeja central entre as bengalas, onde situava-se o amortecedor.

Com o passar dos anos, a BMW continuou investindo em inovações no seu modelo Big Trail com as sucessoras, conquistando cada vez mais o público que procura agilidade, eficiência e leveza em uma moto.

Versatilidade

Mesmo após anos desde o seu lançamento, a Big Trail ainda concentra os holofotes em si devido por causa das suas inúmeras qualidades – sobretudo a versatilidade – capazes de enfrentar toda e boa aventura, seja no asfalto ou na terra. 

Uma característica que só evoluiu foi o conforto, tanto ao piloto quanto ao passageiro da garupa. Tratando-se especificamente de um modelo um pouco mais recente – a BMW G 650 – as expectativas sobre ele aumentam ainda mais diante de sua capacidade.

Com o peso reduzido a 175kg, a Big Trail G 650 da fabricante alemã permite uma pilotagem bastante prática. Seu assento possui 80cm de altura, facilitando o domínio do piloto sobre a moto, oferecendo segurança e tranquilidade, principalmente aos condutores de baixa estatura. 

Além de ser a preferida desses pilotos, a BMW G 650 conquista o público pelo preço econômico, seja na hora de comprar, seja na manutenção e uso. A Big Trail G 650 gasta 25% menos combustível e, se necessário, tem uma manutenção mais em conta, se comparada às motocicletas maiores.

Big Trail na terra


Dicas para aproveitar a sua Big Trail fora do asfalto

Vários motociclistas ainda hesitam ao encarar estradas de terra. Trata-se não só de trilhas fechadas ou subidas íngremes, mas também daquelas estradinhas de chão batido que levam até um sítio, e que gera maior risco de tombos.

Embora exija cuidado e haja suas particularidades, conduzir uma Big Trail nessas condições pode não ser tão apavorante. Afinal, é bom estar preparado, já que grande parte da malha viária do Brasil não é asfaltada; assim, em diversos momentos você pode se deparar com um caminho de terra em suas viagens. 

Por isso, os pilotos Jean Azevedo (rali) e Stefany Serrão Azevedo (motocross) deram algumas dicas de pilotagem na terra , para o site Moto Tour, sobre como curtir melhor sua Big Trail.

Entre as sugestões, é importante ressaltar que pilotar no asfalto e na terra, mesmo com seus percalços, envolve preparo e métodos diferentes. Por isso, tenha em mente: cuidado com a velocidade. 

É fundamental tirar um pouco o pé do acelerador, especialmente se o piloto não estiver acostumado a andar na terra, devido à diferença de aderência entre os dois pisos (ainda maior do que asfalto seco e molhado). Portanto, evite frear ou acelerar de forma brusca.

Em relação à frenagem, é preciso ainda mais cuidado. Use os dois freios (dianteiro e traseiro), mas com mais suavidade, pois a chance de a roda travar é maior na terra. 

Por último, mas não menos importante, preste atenção ao posicionamento embaixo da sua Big Trail. Os pilotos off-road estão sempre de pé na moto, e isso não é à toa. Assim que entrar em uma via de terra, fique de pé, estando ou não sobre uma Big Trail.

Dessa forma, você terá mais controle da moto, melhorando sua visão, a ponto de ser possível antecipar situações. Se você perceber uma curva, um buraco ou um obstáculo, já pode ir reduzindo a velocidade, preparando-se para fazê-la tranquilamente.

As mais vendidas de 2020

Quando falamos de mercado automotivo, é comum sempre pensarmos mais nos carros. Porém, no setor de motocicletas, o mercado das Big Trail é o segundo mais expressivo do País, atrás apenas dos modelos “street”.

Mesmo no cenário de pandemia, o setor que abrange as Trail emplacou mais de 36 mil motos só no primeiro semestre de 2020. Segundo a Fenabrave, a Honda NXR 160 foi a Trail mais vendida no período, seguida da Honda XRE 300.

Em relação às Big Trail, a fabricante BMW (que ocupa a liderança há anos), segue na primeira posição das mais vendidas com o modelo R 1250 GS.

Big Trail


Diante disso, ficaram claro por que o modelo Big Trail ser um dos mais cobiçados por aqueles que procuram conforto, agilidade, um bom motor e leveza em uma moto, não é?

Historicamente, as motos Big Trail são modelos versáteis, podendo ser usadas, tanto em asfalto como em terra, devido à sua alta resistência. Isso dá mais liberdade para o condutor escolher sem medo qual caminho irá trilhar.

E, de quebra, você encontra qualidade e preço econômico, se comparada às demais motocicletas.




  • Tags
  • Big Trail
  • Motocicletas
  • Motos
  • motos Big Trail
  • Trilhas

Matérias relacionadas

Ir para página de notícias

Receba as novidades no seu e-mail